SC Régua 0 - 0 GD Vilar de Perdizes
18 Dez 2016 - 15:00Estádio Artur Vasques Osório - Relvado Sintético - Peso da Régua

13ª Jornada da Divisão de Honra da AF Vila Real / 18 de Dezembro de 2016

Estádio Artur Vasques Osório

SC Régua 0 – Vilar de Perdizes 0

Árbitro: Mauro Henriques

SC Régua: Bruno Alves, Alberto, Úmaro (Fabrice), Parick, Caio, Xandão, Luisinho, Bé (Henrique), João Nuno, Gael (Tozé) e Fernando.

Cartões amarelos: Úmaro, Alberto e João Nuno.

Cartão Vermelho: Patrick

Treinador: João Valente

 

Homem do Apito foi a figura do jogo… pela negativa.

Bom jogo de futebol, este que se previa no Artur Vasques Osório, entre duas boas equipas. O SC Régua a jogar em casa e a lutar pelos primeiros lugares, queria vencer, enquanto o Vilar de Perdizes que vinha de uma chicotada psicológica e não se sabia bem o que esperar da equipa, apesar de terem uma boa formação.

Logo aos 8 minutos, lance rápido na esquerda onde um jogador visitante cruza e Alberto corta a bola para canto. O árbitro da partida entende que Alberto cortou a bola com o braço e marca grande penalidade. Ficam algumas dúvidas neste lance mas dá-se o benefício da dúvida ao árbitro. Jonas chamado á conversão atira por cima e ao lado da baliza. De referir que no lance que originou a grande penalidade, o árbitro deixou passar em claro duas faltas sobre jogadores reguenses.

O jogo passava-se muito no meio campo com o SC Régua num futebol muito direto e o Vilar de Perdizes com um futebol mais apoiado mas sem chegar com perigo á baliza de Bruno Alves.

Num desses lances de futebol direto, o guardião visitante sai da área para cortar uma bola mas esta sobre para João Nuno que faz um chapéu mas a bola sai por cima da baliza. Grande oportunidade para o SC Régua. Aos 40 minutos é a vez do Vilar de Perdizes estar perto do golo quando o seu lateral direito aparece isolado mas atira ao lado da baliza.

Na segunda parte e logo no 1º minuto o SC Régua quase marca. Fabrice de cabeça atira para a baliza e um adversário a tentar o corte quase marca na própria baliza.

Aos 55 minutos começa o descalabro do árbitro da partida. Num lance normal, um jogador do Vilar de Perdizes aparece caído no chão. Perante todo o alarido dos visitantes o árbitro entende que Patrick agrediu o jogador do Vilar de Perdizes e mostra o cartão vermelho direto. Ninguém no estádio se apercebeu de nada, mas o árbitro consegui ver ou entendeu que assim foi depois dos protestos dos visitantes. Patrick, capitão reguense com muitos anos de experiencia e um senhor no futebol agredir um colega???? Duvidamos que tal tenha acontecido.

No mesmo lance e no meio da confusão, o árbitro desorientado, mostra cartão amarelo e de seguida vermelho a um jogador visitante mas este continua em jogo!!!! Estranha-se esta decisão do árbitro que nesta altura já estava perdido em campo. Será que se enganou a mostrar o vermelho? Será que não era o segundo amarelo? Não deveria ter chamado ambos os capitães para esclarecer o erro? Parece-me um erro técnico do árbitro mas fica para os especialistas na matéria analisarem o lance.

Logo de seguida o central visitante Vasques agride João Nuno mas o árbitro desta vez não viu nada. Nem ele nem o seu assistente que estava perto do lance mas que… até virou a cara ao lance.

Volvidos 3 minutos, o guardião adversário, sai da sua grande área e defende com a mão quando Fabrice por perto podia fazer golo. O árbitro da partida mostra o cartão… amarelo. Palavras para quê?

Aos 70 minutos de jogo, dá-se o caso mais grave e escandaloso de todo o jogo. Caio na esquerda sofre uma falta dura mas o árbitro dá a lei da vantagem e Tozé vai á linha cruzar para João Nuno de cabeça marcar. O ridículo da situação… o árbitro anula o golo e manda marcar a falta sobre Caio. Três perguntas no mínimo estranhas que se podem fazer sobre este lance. Porque deu a lei da vantagem e depois de marcar o golo anulou e marcou a falta???? Se marcou a falta porque não exibiu o cartão amarelo ao jogador adversário???? Porque o árbitro assiste assinala neste lance fora de jogo a João Nuno, quando Tozé foi cruzar á linha???? Três questões sem resposta dos presentes, mas que a equipa de arbitragem deverá saber responder. Julgamos que se o jogo teve observador de árbitro, também este terá ficado curioso com tal situação.

Aos 84 minutos, Caio cobre a bola junto á linha de fundo e é agredido a pontapé por Clayton. Neste lance o árbitro não podia fazer mais nada senão expulsar o jogador visitante mas também aqui ficou-se na dúvida se o iria fazer ou não. Já se tinha visto tanta coisa, que já se acreditava em tudo.

O jogo terminou com um empate a zero que castigou ambas as equipas. O SC Régua na primeira parte mais apático e com muitas bolas em profundidade e um Vilar de Perdizes que desperdiçou um grande penalidade mas que não incomodou muito o sempre seguro Bruno Alves. O SC Régua pela atitude que demonstrou em campo mesmo com 10 merecia sair premiada deste jogo mas o árbitro não deixou.

Quanto ao árbitro da partida, acho que já não há mais nada a dizer. Um arbitragem vergonhosa, escandalosa e que prejudicou claramente o SC Régua. Permitiu o constante anti jogo do Vilar de Perdizes e atuou de forma completamente desastrada e sem nível, nem para um distrital.

Pelo Régua… Tudo!!!

Fcardoso1

Fotos: Eduardo Ribeiro (SC Régua)

sc-regua-vilar-de-perdizes_201617_1 sc-regua-vilar-de-perdizes_201617_2 sc-regua-vilar-de-perdizes_201617_3 sc-regua-vilar-de-perdizes_201617_4 sc-regua-vilar-de-perdizes_201617_5